Ano da Misericórdia

O ANO DA MISERICÓRDIA: Vamos entender para nos preparar?

Sandra Maria Luciano Pozzoli

No dia 08/12/2015, Festa da Imaculada Conceição e do Cinquentenário da Conclusão do Concílio Ecumênico Vaticano II, o Papa Francisco irá abrir o Jubileu Extraordinário da Misericórdia, ou também chamado o Ano da Misericórdia, com a Abertura da Porta Santa – na Catedral de São Pedro, no Vaticano, onde qualquer pessoa que entre poderá experimentar o amor de Deus que consola, perdoa e dá esperança.

No domingo seguinte, dia 13/12/2015, Terceiro Domingo do Advento, as portas de outras Catedrais Papais, consideradas também Portas da Misericórdia, serão abertas em todo o mundo. O Papa Francisco abrirá a Porta Santa na Catedral de Roma, a Basílica de São João de Latrão.

Cada uma das quatro Basílicas papais em Roma (São Pedro, São João de Latrão, Santa Maria Maior e São Paulo fora-dos-muros) tem uma Porta Santa. Estas são igrejas jubilares onde dirigir-se em peregrinação para obter a indulgência, observando as condições estabelecidas. Tradicionalmente também são igrejas jubilares as Basílicas da Terra Santa. No restante do mundo, são consideradas igrejas jubilares a igreja e os eventuais santuários em que o Ordinário local dispor que seja aberta uma Porta da Misericórdia. No caso de Roma, às quatro Basílicas papais, somam-se três outras igrejas que formam o tradicional itinerário das “sete igrejas”, ou seja, São Lourenço fora-dos-muros, Santa Cruz em Jerusalém e São Sebastião fora-dos-muros. A Diocese de Roma também possui muitas outras igrejas e santuários importantes, meta de peregrinação, e durante o Ano Santo também serão igrejas jubilares, onde se poderá obter a indulgência. Entre estes está o Santuário do Divino Amor e a Igreja de Santo Spirito in Sassia, conhecida como “Santuário da Divina Misericórdia” (próxima ao Vaticano).

O Jubileu é uma oportunidade para redescobrir este itinerário penitencial deixado aos romanos por São Felipe Neri.

O Jubileu é um ano sabático chamado “Ano Santo” ou “Ano Jubilar” que, na Igreja Católica, consiste no perdão dos pecados dos fiéis que cumprem certas disposições eclesiais estabelecidas pelo Vaticano (as Indulgências).

Para participarmos do “Ano Santo” e recebermos as Indulgências o Papa Francisco recomenda:

- Realizar em primeira pessoa uma obra de misericórdia;

- Passar pela Porta Santa;

- Confessar-se

- Comungar e refletir sobre a Misericórdia

- Rezar nas intenções do Papa (a Profissão de Fé – o Credo)

Uma vez passada a Porta Santa ou a Porta da Misericórdia – ou que seja verificada uma das três circunstâncias nas quais o Papa Francisco concedeu que se possa receber a indulgência (por exemplo para os doentes, os presos e para todos que realizem em primeira pessoa uma obra de misericórdia), além das usuais condições que requerem um coração bem disposto para que a graça possa dar frutos esperados – os fieis deverão deter-se em oração para cumprir os últimos atos pedidos: a profissão de fé e a oração pelo Papa e segundo as suas intenções. Esta última poderá ser ao menos um Pai Nosso, mas também outras. Em particular, em consideração do espírito próprio deste  Ano Santo, sugere-se a recitação da bonita oração do Papa Francisco pelo Jubileu e de concluir o momento de oração com uma invocação ao Senhor Jesus Misericordioso.

Papa Francisco na Bula de Proclamação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia faz uma bela reflexão sobre as recomendações para se alcançar as Indulgências. Propõe que vivamos com profundidade o período de Quaresma e para isso lança a iniciativa “24 horas para o Senhor”, que será celebrada na sexta-feira e no sábado anteriores ao IV Domingo da Quaresma, ou seja, 04 e 05/03/2016, que deve ser incrementada nas dioceses. Papa Francisco afirma quanto ao sacramento da Reconciliação:

“Há muitas pessoas – e, em grande número, jovens – que estão a aproximar-se do sacramento da Reconciliação e que frequentemente, nesta experiência, reencontram o caminho para voltar ao Senhor, viver um momento de intensa oração e redescobrir o sentido da sua vida. Com convicção, ponhamos novamente no centro o sacramento da Reconciliação, porque permite tocar sensivelmente a grandeza da misericórdia. Será, para cada penitente, fonte de verdadeira paz interior.”(Bula da Misericórdia, 2015, p. 10,11)

Este é um momento especial em que a Igreja se une para invocar a presença do Espírito Santo de Deus inspirando a Paz em nossos corações para levá-la ao mundo.

A seguir apontamos alguns locais que foram declarados “Portas da Misericórdia”:

Aparecida/SP

SANTUÁRIO NACIONAL NOSSA SENHORA DE APARECIDA.

Atibaia/SP
TABOR DA PERMANENTE PRESENÇA DO PAI

Belo Horizonte (Confins/MG)
TABOR DA LIBERDADE

Brasília/DF
TABOR DA ESPERANÇA

Curitiba/PR
TABOR MAGNIFICAT

Garanhuns/PE
TABOR DA SANTIDADE DE TODOS OS DIAS

Londrina/PR
TABOR DA ESMAGADORA DA SERPENTE

Poços de Caldas/MG
TABOR FONTE DE VIDA NOVA

Rio de Janeiro/RJ
TABOR REDENÇÃO DAS FAMÍLIAS

Santa Cruz do Sul/RS
TABOR IMACULATA DILEXIT ECLESIAM

Santa Maria/RS
SANTUÁRIO TABOR

São Paulo/SP

CATEDRAL METROPOLITANA NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO E SÃO PAULO – Catedral da Sé.

Região Belém

IGREJA NOSSA SENHORA DO SAGRADO CORAÇÃO

Região Santana

IGREJA SANT’ANA

Região Lapa

IGREJA NOSSA SENHORA DA LAPA

Região Brasilândia

NOSSA SENHORA DA EXPECTAÇÃO

Região Ipiranga

SANTUÁRIO SÃO JUDAS TADEU

 

Referências

Bula da Misericórdia. Disponível em:http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/apost_letters/documents/papa-francesco_bolla_20150411_misericordiae-vultus.html. Acesso em 04/12/2015.

Arquidiocese de São Paulo. Disponível em: http://www.arquisp.org.br/noticias/especiais/ano-da-misericordia. Acesso em: 04/12/2015.

Movimento Apostólico de Schoenstatt. Disponível em: http://www.maeperegrina.org.br/saiba-quais-santuarios-do-brasil-terao-a-porta-santa/ Acesso em: 04/12/2015.